15 maio 2006

Imigração, Socialismo e Liberalismo

Caro Bernardo, Não deve haver corrente de pensamento mais favorável à livre circulação de pessoas que o liberalismo. Aliás, o que o Daniel Oliveira escreve no Expresso, que citas, poderia ter sido lido em muitos compêndios liberais. O que não deixa de ser curioso no pensamento de Daniel Oliveira é a intrínseca contradição que subsiste no seu pensamento: como se pode defender ao mesmo tempo os imigrantes, a manutenção de barreiras proteccionistas e um Estado Social que sobrevive, muitas vezes, por asfixia dos países de origem destes imigrantes, e dos próprios que são depois compelidos a imigrar? Como defender a imigração e um Estado Social que é inimigo da circulação de pessoas – pois, v.g., para se aceder a uma reforma, é necessário viver, sedentário, durante um longo período, no país de destino? A imigração funciona, neste quadro global, um pouco como os clientes para a Afinsa: balões de oxigénio que permitem aumentar no curto prazo a liquidez do sistema. Fala-se dos imigrantes como gente capaz de inverter a pirâmide demográfica e ajudar a "salvar" o Estado Social. Encaram-se os imigrantes como gente que vem solucionar os problemas dos países de acolhimento, e não realizar um projecto de vida próprio. Ora, não basta defender a imigração imbuído deste espírito proto-humanista; é sobretudo necessário ter uma concepção sobre a sociedade e a liberdade que os defenda e que promova – efectivamente – a sua dignidade. Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: