29 maio 2006

O princípio da omissão

O Papa Bento XVI deslocou-se ao campo de concentração de Auschwitz para com a sua presença relembrar uma das páginas mais negras da nossa História. Quis com este gesto enfatizar - digo eu - num momento político particularmente sensível, que o esquecimento muitas vezes abre caminho à barbárie. Ratzinger optou por não catalogar o mutismo dos homens, referindo-se antes ao "Silêncio de Deus": apela-se desta forma à nossa consciência e à liberdade que tomos temos neste caso de conformar as nossas atitudes; todos podemos omitir - tal aconteceu até a Deus - mas devemos permanecer atentos e nunca esquecer as lições da História. As posições recentes do mundo contra os judeus – veja-se, v.g., a sistemática recusa do Irão em reconhecer os genocídios nazis – tantas vezes toleradas pelas opiniões públicas correspondem a estas cúmplices formas de omissão. Haja abertura para perceber este gesto, simbólico, mas de grande importância para o mundo, onde, num ambiente de paz, a exigência molda a consciência, onde a acção (e a liberdade de agir) se afastam da omissão. Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: