20 janeiro 2007

Liberalismo ou Relativismo?

Diz o José Barros (a propósito deste post):
Como assim? Se se criminaliza o aborto e se se envia as mulheres para a cadeia, o que está em causa não é uma qualquer censura moral do aborto, mas sim uma censura penal. E esta não pode advir apenas das convicções morais de metade da população, tem antes de resultar de um consenso alargado. Ao admitir-se que metade da população imponha o seu código moral a outra metade, estamos a fazer pouco da noção de liberdade e estamos a ser tudo menos liberais. A criminalização do aborto, nas condições actuais, é um atentado ao liberalismo.
Caro José Barros, Julgo que estarás a confundir liberalismo com relativismo. O liberalismo não é o primado da opinião, mas o da responsabilidade e respeito pelas liberdades individuais. E se o aborto se situa no plano da moralidade - sem dúvida - antes disso - e é essa a minha posição - é uma questão de responsabilidade, autodeterminação e liberdade negativa. Admitindo que possa haver outras visões liberais sobre este matéria, não vejo como é que esta leitura pode ser considerada um "atentado ao liberalismo". Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: