04 dezembro 2005

(Alguns apoiantes de) Cavaco e os Liberais

Cavaco Silva é o candidato natural dos liberais. Não porque seja ele próprio um liberal - Cavaco é assumidamente um social-democrata - mas porque no actual contexto político é o candidato que melhor poderá garantir um certo equilíbrio de poderes - ideia muito cara aos liberais; além do mais, Cavaco já demonstrou ser o que melhor compreende a globalização: e a Europa está numa encruzilhada, sendo essencial que o Presidente da República seja alguém capaz de acompanhar a mudança. Estas foram as razões que apresentei na minha declaração de voto, oportunamente divulgada no Pulo-do-Lobo. Do ponto de vista eleitoral, Cavaco Silva deve apostar fortemente em vencer na primeira volta, tentando unir o seu eleitorado natural, e explorando a falta de credibilidade e até um certo sentimento derrotista que se instalou junto dos candidatos da esquerda. O Pedro Picoito, que certamente escreve no Pulo-do-Lobo movido pela vontade de ajudar Cavaco a vencer as próximas eleições, tem orientado este seu exercício de acção política num sentido algo estranho, dividindo o eleitorado potencial do candidato que apoia. Haverá entre liberais os que como o Gabriel ou o Miguel têm reservas em votar Cavaco, por razões que são por demais evidentes. E, certamente, posts como este e este dificilmente os ajudarão a ultrapassar essas reservas. Ora, um candidato que pretende ser abrangente e maioritário, logo na primeira volta, deve unir, procurar encontrar pontes com o seu potencial eleitorado; não pode dar-se ao luxo de ter os seus principais apoiantes perdidos em picardias, hostilizando potenciais eleitores com piadas e graçolas, muito menos escritas no seu blogue quase-oficial. Eu visito o Pulo-do-Lobo em busca de interacção em redor da campanha e dos candidatos, e não para saber com quem é que o Pedro Picoito gostaria de jantar, ou para reler pela enésima vez a sua particular leitura sobre o liberalismo, neo ou clássico. O Pulo-do-Lobo deveria, na minha humilde opinião, estar ao serviço da candidatura do Professor Cavaco Silva, e não das pequenas indiosincrasias e das reacções epidérmicas de quem ai escreve. Cada palavra mal medida, é um voto ganho que se perde. Tendo simpatia pessoal pelo Pedro Picoito, não posso deixar de dizer que os seus posts, aqui e aqui, são verdadeiros tiros nos pés, não nos seus, porque no Pulo-do-Lobo o que conta é o candidato, mas nos pés de Cavaco. Ao escrever num registo ruidoso, pouco claro e cheio de ironias, não se serve devidamente uma candidatura. Eu apoio Cavaco; e não estou à espera que agora o meu candidato subscreva uma carta de intenções liberal; mas, com franqueza, não gosto de ver enxovalhadas no Pulo-do-Lobo, num tom acintoso e sem qualquer objectivo que não a mera picardia, ideias que me são caras. Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: