10 fevereiro 2006

Até onde for preciso, com proporcionalidade e adequação

Enquanto tivermos quem se surpreenda e indigne, em Portugal e na Europa, com decisões necessárias para garantir a segurança dos cidadãos, dificilmente seremos capazes de nos preparar para gerir a ameaça islâmica. Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: