15 fevereiro 2006

Contraditório - sobre o papel das mulheres

No blogue Quote That responde-se no feminino ao post que publiquei aqui. A análise é muito interessante, e admito que o problema da imparidade passe também pelo «ónus social» (a expressão é muito feliz) que ainda impende sobre as mulheres, na educação dos filhos e na lide doméstica. O espaço privado persiste em ser tendencialmente matriarcal, e na prática as mulheres com filhos estão fortemente limitadas na sua afirmação social, não por restrição legal, mas por efectiva falta de tempo. A forma como se organizam, por exemplo, os partidos, com reuniões sistemáticas depois do jantar, até altas horas da madrugada, com a necessidade de marcar presença em acções geograficamente dispersas ou em programas televisivos em horário nobre são factores que conduzem a uma redução significativa da capacidade de participação das mães (particularmente sobre aquelas que acarretam o tal «ónus social» da educação dos filhos e da gestão doméstica), tornando a política num mundo de fraca presença maternal, onde as mulheres que «estão» muitas vezes surgem com o dilema da «escolha» alternativa, em alguns casos castradora. Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: