17 fevereiro 2006

Manias do RAF

Não foi fácil responder a este desafio da aL., pois sou um jovem cheio de manias. Escrevi uma lista, e seleccionei cinco (das confessáveis): Tabaco: Detesto tabaco. Detesto os fumadores que não respeitam o meu espaço, em especial senhoras gordas de perna cruzada que insistem em canalizar o fumo para a minha atmosfera, enquanto movem os lábios convencidas que isso as torna sexys. O tabaco instiga o meu lado lunar, anti-liberal. Comprar quadros: Começo a ter as paredes cheias; conclusão: vou ter de trocar de casa. Cafés: Sou fiel aos cafés de sempre; ainda hoje sou cliente habitual do café ao pé de casa de meus pais. Fico desiludido quando um dos meus cafés de eleição é trespassado, ou muda a gerência. Raramente peço o talão no Multibanco: Para quê gastar papel para ver um saldo que já conheço, e que posso consultar na Internet? Monarquia; apelo aos ascendentes; o temor reverencial e a vénia lusa: Detesto o espírito monárquico; os «ares» dos que estão sempre a apelar à legitimidade intra-venosa; detesto o tratamento por «Doutor», «Sêtor», «Professor», «Engenheiro» e outras tretas da nossa cultura; sou um dos maiores dinamizadores nacionais do movimento do «Tu». Relativamente bem sucedido. Falta o resto (mas para isso é preciso uma quase ruptura cultural)... Desafio: Filipa Correia Pinto, do E Depois do Adeus ... António Almeida, do Iconographos ... Jorge Gustado, do No Fundo, no Fundo ... Rui de Albuquerque, do Portugal Contemporâneo ... Joana, no Simplesmente Joana. Rodrigo Adão da Fonseca Adenda: Caixas: tenho dezenas de caixas, de vários tamanhos e feitios, cada uma com a sua finalidade. O sótão de casa dos meus pais tem várias caixas com toda a minha infância, adolescência e juventude devidamente «encaixotada», à espera de serem redescobertas; ainda não passou tempo suficiente para que faça sentido esta viagem ao passado.