21 abril 2006

Numa noite de insónia, em que persiste a luz, e tardam as sombras

Colecção Berardo - Cruzeiro Seixas (ver mais aqui)
Faz-se luz pelo processo de eliminação de sombras Ora as sombras existem as sombras têm exaustiva vida própria não dum e doutro lado da luz mas do próprio seio dela intensamente amantes loucamente amadas e espalham pelo chão braços de luz cinzenta que se introduzem pelo bico nos olhos do homem Por outro lado a sombra dita a luz não ilumina realmente os objectos os objectos vivem às escuras numa perpétua aurora surrealista com a qual não podemos contactar senão como amantes de olhos fechados e lâmpadas nos dedos e na boca Mário Cesariny
Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: