16 maio 2006

O Milagreiro Louçã

Agora vamos ter os girassóis do fim do ano e o calor vem desumano tudo irá se expandir crescer com as águas "Milagreiro", Djavan "O desafio é viver sem ilusões, sem se tornar um desiludido", preconizava Gramsci. Louçã, contudo, talvez ele próprio desiludido com as regras da economia, decidiu temperar as suas receitas com uma pitada de sonho. Num mundo cada vez mais competitivo, onde a base do sucesso está na produtividade, o Bloco de Esquerda descobriu a "poção mágica" que contraria a forma como gira o planeta:

O Bloco de Esquerda quer aumentar a contribuição para a Segurança Social dos trabalhadores que ganham mais de 1.500 euros e introduzir uma taxa que pode ir até três por cento sobre o valor acrescentado bruto (VAB) das empresas (...)

A tributação do VAB (...) segundo Louçã, permite estimular a criação de emprego, porque neste momento as empresas que têm menos trabalhadores são as mais penalizadas.

(Ver Público, página 40; ironia das ironias, na Secção de "Economia")
Ou seja, Louçã quer fomentar o emprego criando um incentivo às empresas menos produtivas, penalizando as mais eficientes. E, desta forma, acredita que vai aumentar a receita, precisamente destruindo por via fiscal os incentivos para que as empresas aumentem a sua base tributável. Louçã é sem dúvida um génio da economia... Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: