15 julho 2006

Passagem de elefantes

Por motivos de saúde, sem gravidade, foi-me ainda assim prescrita uma turtuosa prisão domiciliária. Turtuosa, porque a pena de reclusão fez-se acompanhar de uma toma diária de medicamentos que me impedem de produzir com lucidez. Estou, assim, a viver, aquilo que Cruzeiro Seixas chamaria de "áurea surrealista". É sabido ainda que, para além da privação da liberdade, qualquer ambiente prisional, mesmo que domiciliario, é em si mesmo um castigo. Ora, ontem senti na pele a experiência de uma pena máxima: mesmo sem querer, fui obrigado a viver com intensidade a performance dos T-Chan e Ivete Sangalo, numa "grande parada musical com actuação em cima do Trilho eléctrico" (camião gigante). Aquilo que se passa durante o dia aqui nos lados onde moro cantou-o melhor do que eu algum dia o direi, Mário Cesariny:
Elefantes na água optimistas à solta optimistas à solta elefantes na árvore elefantes na árvore optimistas na esquadra optimistas na esquadra elefantes no ar elefantes no ar optimistas em casa optimistas em casa elefantes na esposa elefantes na esposa optimistas no fumo optimistas no fumo elefantes na ode elefantes na ode optimistas na raiva optimistas na raiva elefantes no parque elefantes no parque optimistas na filha optimistas na filha elefantes zangados elefantes zangados optimistas na água optimistas na água elefantes na árvore
Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: