19 março 2007

Tecnocracia V Liberdades

É habitual vermos alguém defender Sócrates argumentando que este está a levar a cabo políticas de direita. Se experimentarem perguntar aos vossos interlocutores o que faz de Sócrates um homem de direita - peçam apenas três exemplos - o mais provável é que a resposta seja inicialmente muda, esgrimindo-se mais tarde uma suposta postura de autoridade do PM, ou o 'ataque' que promove aos 'benefícios'(?). Discordo, as coisas são bem mais simples, Sócrates não tem uma linha política: não é certamente da esquerda tradicional, facto porém que não faz dele um homem de direita: é, apenas, um tecnocrata. Renegamos Salazar, porque a sua memória ainda está próxima, mas sobretudo porque é sobre o seu cadáver que construímos o nosso regime. Alguém receia que se regresse ao Estado Novo? Obviamente, não. Só que discuti-lo pode levar muitas mentes a questionar os pressupostos socializantes da nossa democracia; é esse o grande receio da esquerda. Que se discuta a vaca sagrada que é a nossa Constituição. No quadro do politicamente correcto que emana do actual regime constitucional encaixam-se bem Afonso Henriques, o Marquês de Pombal, Cavaco ou Sócrates, com traços próximos de Salazar, mas cujas personalidades inócuas não ferem o décor desta nossa democracia que privilegia os tecnocratas e despreza as ideias. No fundo, acima das ideias está o bem luso 'bom-senso', seguimos à letra a máxima de Aníbal, 'duas pessoas sérias com a mesma informação chegam necessariamente à mesma conclusão'. Daí a nossa atracção pelo centrão. E por líderes 'que façam', com perfil sizudo, de preferência sem grandes apetências ideológicas. Sacrificamos sem dificuldade as liberdades a quem nos prometa eficiência. Fala-se até à exaustão na refundação da direita, mas ignoram os principais agentes da suposta mudança os legados de Sá Carneiro, Adelino Amaro da Costa ou Francisco Lucas Pires, cuja forma de estar na política se afastava profundamente da tecnocracia. Haverá na política portuguesa 'mercado' para as ideias? Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: