13 agosto 2008

O espectro da Guerra

Volta e meia o mundo dá-nos as voltas, e a guerra assombra a nossa fábula europeia, a da ilusão da pax perpetua. Parece, agora, que o gigante russo voltou a fazer das suas, e decidiu meter a pata na vizinha Georgia, nação que se situa numa zona do globo fértil em massacres (basta recordar a história da vizinha Arménia, por exemplo, que apanhou no tutano não há muitas décadas dos amigos Turcos). Os russos dizem que estão lá em missão humanitária (faz lembrar o estigma da reeducação, quando gente que pensava demais era levada para a Sibéria, a pensar no bem dos próprios, obviamente). Acordando do sonho para a realpolitik e, afinal a Rússia até tem bons amigos na Alemanha e na França, os mesmos Estados que patrocinaram a desgraça nos Balcãs, e que até são as locomotivas da UE... Pelo caminho, a bête da globalização oferece-nos imagens impressionantes, a crueza do que pode ser a maldade humana, maldade europeia.
O mundo está difícil de perceber.
Quem disse que o mundo evolui sempre para melhor?
Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: