11 fevereiro 2008

Sobre as eleições nos EUA

Obama, aquilo que a esquerda europeia pensa que é a esquerda americana, é a última esperança do mundo, tão esperançosa que levou muita gente a trair os Clinton, aquilo que a esquerda europeia pensava que era a esquerda americana antes de Obama aparecer.
JPP, no Abrupto Como escrevi noutras ocasiões, o meu olhar em relação à política americana é equidistante, não me sinto compelido a ter o "meu" candidato. Mas uma coisa é certa: não tendo nenhum candidato preferido, há desde logo um que me asssusta: Obama. Não gosto do Obama, porque tenho sempre receio dos políticos que querem mudar o mundo, e que acreditam mesmo nisso, sobretudo quando são possíveis presidentes dos EUA.
***

Em Portugal, a luta para as presidenciais resume-se à disputa Hillary Vs Obama. Parece que o Partido Republicano está "fora da corrida". Recupero algumas das interrogações que apresentei aqui no Blue Lounge em 2006, e que permanecem em aberto, a que acrescento, agora, as sombras que pairam sobre a economia americana. Será que o Partido Democrata consegue apresentar respostas credíveis para as dúvidas dos americanos? Ainda é cedo, pois a procissão está no adro, e o discurso pouco maduro. Os próximos meses permitirão esclarecer se há capacidade de angariação no lado democrata, ou se o pragmatismo de McCain se irá impor na hora decisiva.

Rodrigo Adão da Fonseca

Sem comentários: